Entrar
Esqueceu a sua senha?
Poll
Está familiarizado com as consequências das alterações climáticas na saúde?
 Sim
 Não
 Vagamente
 
Você está aqui: Entrada / Ambiente / Biodiversidade e Solo / Mais informação / Sobre a Biodiversidade da Maia

Sobre a Biodiversidade da Maia

 

A existência destas unidades baseia-se em diversos aspectos, nomeadamente hidro-geológicos e culturais. As condições hidro-geológicas locais têm permitido, ao longo dos séculos, a permanência de manchas significativas de solos para a exploração agrícola e silvo-pastoril. O relevo beneficia exposições a Sul e a Poente. Grande parte do Concelho desenvolve-se com baixos declives, sobretudo a Poente, enquanto que a nascente aparecem zonas com mais inclinação e com maior interesse a nível paisagístico.

A rede hidrológica também é especialmente relevante neste Concelho. Ela é dominada pelo Rio Leça, que intersecta a área do Município a Sul e corre no sentido Este-Oeste, e ainda pelas ribeiras do Arquinho e Leandro, com sentido dominante Norte-Sul.

Relativamente aos espaços florestais da Maia, estes caracterizam-se por povoamentos de Pinheiro Bravo e Eucalipto, distribuídos por praticamente todo o Concelho, sendo um floresta predominantemente de produção acompanhada por uma função relevante de estrutura em muitas situações.

Encontram-se igualmente no terreno alguns povoamentos dispersos de Choupos, ocupando essencialmente as zonas mais baixas das freguesias de Gueifães e Milheirós, e outras Folhosas diversas, embora sem grande expressão no território. 

As galerias ripícolas dos principais cursos de água (Rio Leça e Ribeira do Arquinho) representam importantes espaços para o equilíbrio dos ecossistemas. Têm funções de regularização do regime hídrico (particular papel na quebra de violência nas cheias), de defesa das várzeas, interesse económico na produção de madeira, são barreiras contra-fogo (dada a sua difícil combustão), tão importantes nos espaços agro-florestais. Também servem de nicho à fauna silvestre, contribuindo para o aumento da biodiversidade e fornecem indicações acerca da poluição, da velocidade de escoamento, entre outros.

Apesar da baixa qualidade biológica da água e de haverem ainda margens degradadas, os corredores ripícolas constituem um suporte importante de estrutura ecológica.

Quanto à exploração agrícola, a principal espécie cultivada no território da Maia é o Milho, cultura extremamente produtiva que ocupa quase todas as áreas disponíveis para a prática agrícola. Encontra-se nas encostas em socalcos, no fundo dos vales e nas margens dos cursos de água.

Os campos agrícolas encontram-se compartimentados por estruturas de suporte de cultivo da vinha, funcionando simultaneamente como estruturas de protecção e de cortinas de abrigo.

A vegetação natural primitiva da Maia

A vegetação primitiva da Área Metropolitana do Porto encontra-se actualmente confinada às margens de alguns cursos de água e a “bolsas” residuais que ainda representam os bosques típicos do território. Estes núcleos primitivos assumem uma enorme relevância ecológica. Assim, destacam-se os bosques palustres, dispersos pelas principais áreas agrícolas, mas assumindo particular relevância em alguns municípios da área metropolitana, nomeadamente, da Maia. Não obstante, de um modo geral, a cobertura vegetal deste Concelho apresenta uma alteração profunda relativamente à estrutura que se presume ter existido anteriormente.

Para mais informação sobre os espaços naturais da Área Metropolitana do Porto, a sua riqueza em habitats e espécies de fauna e flora (incluindo o Concelho da Maia), consulte o Retrato da Biodiversidade da Área Metropolitana do Porto, elaborado pelo Centro Regional de Excelência em Educação para o Desenvolvimento Sustentável (CRE_PORTO) a propósito do Ano Internacional da Biodiversidade 2010.

Acções do Documento