aru.png

Poll
A Semana Europeia da Mobilidade 2017 tem como tema “A Partilhar Chegamos Mais Longe”. Costuma praticar/utilizar a partilha de veículos nas suas deslocações diárias?
 Sim
 Não
 Não, mas tenciono começar a partilhar
 
Você está aqui: Entrada / Centro de Recolha Oficial de Animais de Companhia da Maia / Desparasitação / Desparasitação Externa em Cães e Gatos

Desparasitação Externa em Cães e Gatos

 

Os ectoparasitas são animais que vivem na pele, pêlo, pavilhão auricular e canal auditivo dos nossos animais de companhia.

Vulgarmente chamados de "pulgas" e "carraças", estes animais alimentam-se de sangue dos hospedeiros mamíferos. A sua contaminação dos animais é feita pelo contacto directo e meio ambiente que os rodeia.

As pulgas são ectoparasitas mais frequentemente encontrados à vista desarmada pelos donos, e apenas as espécies Ctenocephalides canis (cão) e Ctenocephalides felis (cão e gato) afectam os nossos animais de companhia. Uma pulga fêmea pode picar o seu hospedeiro cerca de 400 vezes por dia e colocar cerca de 2000 ovos durante a sua vida.

De uma forma geral causam sinais como: inquietação, desconforto, prurido e muitas vezes uma dermatite alérgica à picada da pulga, que se define como uma reacção de hipersensibilidade que ocorre ao nível da pele, e resulta da acção antigénica da saliva da pulga que é injectada durante a picada no nosso animal de companhia. Perante esta dermatite os animais apresentam um quadro de alopécia, seborreia e prurido intenso, e até mesmo piodermatites secundárias em redor da cauda, região lombar, ventre e patas.

As carraças tal como as pulgas são facilmente visualizadas pelos donos. Existe uma enorme diversidade de géneros e espécies destes ectoparasitas, no entanto de uma forma geral existem as carraças "duras" (género Ixodidae) e as carraças "moles") (género Argasidae).

Estes ectoparasitas são responsáveis pela transmissão de várias doenças tanto dos nossos animais como no Homem.

A "febre da carraça" designa um conjunto de doenças infecciosas causadas por bactérias ou protozoários transmitidos através da picada da carraça assim como: Doença de Lyme ou Borreliose, Erlichiose, Babesiose, Anaplasmose, Hepatozoonose e Rickettsiose.

A prevenção adequada é essencial para impedir este tipo de parasitismo, evitando assim a transmissão das doenças referidas anteriormente. O período de maior risco de infestação é entre os meses de Abril e Outubro, no entanto o controle deve ser feito durante todo o ano. Consulte o seu médico veterinário, pois existem diversos produtos com diversas apresentações para manter o seu animal de estimação livre destes ectoparasitas de uma forma segura e eficaz.

Como remover uma carraça do meu animal de estimação?

- Com o auxílio de luvas, segurar na carraça o mais próximo possível da pele com o auxílio de uma pinça de pontas finas;

- Depois de segura, puxar a carraça para cima, aplicando uma pressão constante;

- Após a remoção da carraça, desinfectar o local da picada com solução iodada ou álcool;

- Lavar as mãos com água e sabão;

- Colocar a carraça em álcool, pois irá causar a sua morte.

O que não se deve fazer?

- Depois de segura, a carraça não deve ser rodada nem sacudida, pois pode levar à quebra das suas peças bucais;

- Não esmagar nem apertar as carraças;

- Não usar azeite, vaselina ou calor pois à regurgitação de saliva para o hospedeiro aumenta a probabilidade de infecção;

Se ainda assim após a remoção da carraça, o animal apresenta alterações no seu estado de saúde, deve recorrer de imediato ao seu médico veterinário.

 

 

Acções do Documento