aru.png

Poll
A Semana Europeia da Mobilidade 2017 tem como tema “A Partilhar Chegamos Mais Longe”. Costuma praticar/utilizar a partilha de veículos nas suas deslocações diárias?
 Sim
 Não
 Não, mas tenciono começar a partilhar
 
Você está aqui: Entrada / Newsletter_DAPGU / N.33 / Dossiê Biodiversidade – IV Parte

Dossiê Biodiversidade – IV Parte

Como fomentar a biodiversidade na sua varanda, no jardim e na cidade.

Após a identificação dos locais com maior biodiversidade numa cidade, irei agora elencar algumas boas práticas e medidas simples, para fomentar a biodiversidade nas nossas casas e na cidade.

O primeiro passo óbvio é: não matar a biodiversidade! Deve-se eliminar a utilização de pesticidas, que irão envenenar indiscriminadamente os insetos que queremos eliminar mas também os outros que nos ajudam a controlar pragas e que  prestam serviços ambientais à sociedade. E os piolhos que me atacam as rosas? Pulverizar os pulgões com água e sabão, elimina a maior parte dos insetos e não envenena o ambiente. Existem alternativas naturais para grande parte dos problemas com insetos.

Na varanda

Plantar flores

As varandas, mesmo sendo pequenas podem contribuir para biodiversidade, por exemplo através da existência de plantas com flor, que irão servir de alimento para os insetos polinizadores, como as abelhas as borboletas ou as formigas. A existência de flores de plantas exóticas, com épocas de floração desfasadas das plantas locais é benéfica, porque permite a alimentação dos polinizadores durante mais tempo durante o ano.

 

No jardim

Pilha de troncos e folhas

A natureza é um ciclo de renovação constante, da qual é parte essencial a desconstrução de elementos complexos em elementos mais simples. A degradação da madeira em nutrientes que outros seres vivos podem utilizar, é essencial, e fazem parte desta tarefa imensos seres vivos fulcrais para a biodiversidade urbana. Uma pilha de troncos de madeira e folhas que irá apodrecer tem imensas vantagens:

- Cria refúgio para espécies de mamíferos, répteis e anfíbios que se protegem do frio no inverno e podem assim hibernar;

- Os insetos que degradam a matéria morta são uma fonte de alimento para aves insectívoras, répteis e mamíferos, como os ouriços-cacheiros;

- São o local ideal para o crescimento de cogumelos, que poderão alimentar esquilos, aves e até os humanos, caso os saiba identificar com toda a certeza;

Bebedouros

Um bebedouro colocado no verão, atrai para o local aves e mamíferos que por vezes têm dificuldade em encontrar água perto do local onde habitam. Ter um bebedouro é ótimo para observar as aves a saciar a sede e chapinar com a sua habitual alegria.

 

Na cidade

As cidades podem e devem tornar-se menos cinzentas e capazes de aumentar os serviços ambientais proporcionados pela sua estrutura verde. Essa estrutura verde irá captar poluentes, reduzir o ruído, amenizar a temperatura da cidade e reduzir os efeitos da impermeabilização do solo, que provoca cheias em locais densamente povoados. As soluções para aumentar a biodiversidade são variadas, estão experimentadas e necessitam apenas de ser aceites e praticadas no nosso território.

Coberturas verdes

As coberturas verdes, desde que sejam diversificadas quanto à sua vegetação são ótimas para biodiversidade, eficiência energética dos edifícios e retenção de água da chuva;

Bioswales/rain gardens

Para gerir o ciclo urbano da água e o escoamento da água da chuva, existem soluções que não só dão resposta a essa necessidade, mas que ao mesmo tempo, ajudam a biodiversidade e embelezam a cidade. Para que isto aconteça, é necessária uma alteração à forma tradicional de construir estas infraestruturas. Compare a habitual sargeta de águas pluviais no arruamento ou a arborização pontual, com estas soluções e decida de qual gosta mais.

Sendo a biodiversidade urbana um tema tão extenso e complexo, muito fica por escrever, esperando-se que este dossier, seja apenas o ponto de partida para a exploração do tema. No próximo e último artigo irei abordar o Parque de Avioso, uma ilha de biodiversidade.

 

Artur Branco

Acções do Documento