Você está aqui: Entrada / Universidade de Coimbra desenvolve estudo inédito sobre antigas lixeiras

Universidade de Coimbra desenvolve estudo inédito sobre antigas lixeiras

Os investigadores acreditam que as 341 antigas lixeiras existentes em Portugal mantêm "resíduos em degradação".

Uma equipa de dez investigadores da Universidade de Coimbra (UC) está a desenvolver uma investigação inédita a nível europeu sobre o potencial de "contaminação química e toxidade nos solos e nos cursos de água" e efeitos na biodiversidade dos aterros de resíduos urbanos já selados e encerrados.

Os investigadores acreditam que as 341 antigas lixeiras existentes em Portugal mantêm "resíduos em degradação", libertando lixiviados e biogás, desconhecendo-se se existem perigos efectivos das antigas lixeiras para a saúde humana e para o ambiente, avança esta entidade em nota enviada às redacções.

A investigadora principal do projeto-piloto aponta ainda falhas na atual legislação relativa aos aterros sanitários. Segundo Sónia Chelinho, a monitorização exigida é desajustada porque se baseia "apenas na recolha, caracterização físico-química e tratamento dos lixiviados, do biogás emitido e das águas subterrâneas, registando uma lacuna ao nível da componente biológica".

A avaliação da qualidade ambiental baseada "apenas em análises químicas não indica qual a fração da substância que poderá afetar negativamente os organismos, nem informa sobre as consequências para os ecossistemas da existência de misturas de potenciais poluentes", salienta a investigadora. A inclusão da componente biológica/ecológica nos programas de monitorização das antigas lixeiras e aterros encerrados é essencial para obter uma visão mais realista dos potenciais impactos ambientais, sustenta a especialista.

A investigação contempla a avaliação da "potencial contaminação química e toxicidade nos solos e nos cursos de água das zonas circundantes", assim como "a avaliação da biodiversidade de vertebrados, nomeadamente mamíferos, aves e répteis, e de invertebrados de solo", sintetiza a UC. 

Aquele que será o primeiro grande estudo europeu nesta matéria contará com uma dezena de investigadores do Instituto do Mar (IMAR), de áreas tão diversas como ecotoxicologia de solo e aquática, microbiologia, ecologia animal, biodiversidade e conservação, estão a realizar A investigação será ainda feita em parceria com a LIPOR (Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto), "entidade que tem vindo a desenvolver um trabalho pioneiro na área de recuperação dos passivos ambientais".

Acções do Documento